Subscreva Newsletter
UNITAANGOLA
Estatutos
Data Ocasião Fonte
16/12/2020 Estatutos da UNITA, revistos e aprovados pelo XIII Congresso Ordinário
30/11/2017 Estatutos da UNITA, revistos e aprovados pelo XII Congresso Ordinário
20/07/2013 Adoptado durante o XI Congresso ordinario e anula o anteriore Unitaangola
13/09/2004 Adoptado durante o X Congresso ordinario e anula o anteriore Secretariado para a informação (UNITA)
Todas notícias
Opiniões
“As novas medidas para prevenir da Covid-19 servem para adiar as eleições de 2022“ - Emanuel Mayassi
As novas medidas supostamente para prevenir da Covid-19, na verdade têm por objetivo enganar os angolanos de que a situação está péssima a fim de intensificar o nível do estado de emergência e enfim, adiar as eleições gerais previstas para 2022 !
********************
Generais da minha geração – Abílio Kamalata Numa
Somos a geração das diferenças políticas que nossos Mais Velhos nos transmitiram, levando-nos para cultura da violência e da banalização da vida humana.
********************
Frente Patriótica irá escolher líder “com base na opinião pública” – Vieira Lopes
Com o lema ‘’Angola em primeiro lugar’’, três formações políticas preparam uma frente patriótica capaz de avançar para coligação eleitoral, instrumento apontado para acabar com o que elas chamam de 45 anos de governação do MPLA.
********************
A Dimensão histórica das conquistas de Abril - Alcides Sakala
Hoje, 25 de Abril, dia da revolução dos cravos, é o dia da liberdade em Portugal. É feriado nacional. A data celebra a revolta dos militares portugueses, dos jovens capitães de Abril, com destaque para o capitão Salgueiro Maia, que a 25 de Abril de 1974, cansados da guerra colonial, da ditadura e do fascismo, realizaram um golpe de Estado militar que acabou com o despotismo, imposto aos portugueses por Oliveira Salazar durante 41 anos. Com a mudança de regime, encerrava-se a página da ditadura e do fascismo em Portugal e dava-se início a construção da democracia. Terminava também a guerra colonial portuguesa em África.
********************
Entrevistas
"A situação política actual do país inspira muitos cuidados" - General Lukamba Gato
O general Lukamba Paulo “Gato” foi, na qualidade de secretário-geral da UNITA, a figura mais alta na hierarquia do partido, em 2002, após a morte do vice-presidente, António Dembo, e do líder, Jonas Savimbi. Como coordenador da então Comissão de Gestão, dirigiu, pela UNITA, as negociações para a Paz no país. Dezanove anos depois, Gato considera que “o dia 4 de Abril de 2002 devia ter sido melhor aproveitado, para que o país marcasse uma verdadeira viragem, que definisse, sem equívocos, um período histórico antes e um depois”. Relativamente à reconciliação nacional, o agora deputado afirma que “Angola ainda tem uma longa caminhada a fazer”.
********************
 â€œA CASA-CE quase desapareceu do debate político”-Manuel Fernandes
Segundo publicou-o Club-K na sua edição desta Quarta-feira, 24 de Fevereiro de 2021, o deputado Manuel Fernandes entra para a história da CASA-CE como o terceiro presidente da coligação, depois de Abel Chivukuvuku e André Mendes de Carvalho. Em entrevista ao Jornal de Angola, o político enquadra a sua indicação, por quatro dos seis partidos da coligação, com a necessidade de mudança na liderança, para propiciar “novos métodos de trabalho e uma maior dinâmica na organização”.
********************
É hora de salvar a Cultural – Álvaro Macieira
O artista plástico angolano Álvaro Macieira alertou ao Executivo para a necessidade da aplicação de medidas de apoio à classe artística, durante o contexto de pandemia, a fim de prevenir novos desempregos e salvar os fazedores de cultura.
********************
"Em Angola, o próprio chefe de Governo incentiva a corrupção": Adalberto da Costa Júnior
Eleito presidente da UNITA em Novembro de 2019, Adalberto Costa Júnior teve tudo menos um primeiro ano normal como líder da oposição em Angola, devido às consequências da pandemia de covid-19, que permitiu ao Governo adiar mais uma vez a criação das autarquias. Num ano de muita contestação pública da acção do Presidente João Lourenço, os protestos são, para Adalberto Costa Júnior, um sinal da crise que faz com “haja fome em Luanda”, algo que se sentia no resto do país, mas não na capital, diz.
********************
Facebook Youtube Twitter Contacto
Todos os direitos reservados
Secretariado da comunicacão e Marketing da UNITA
União Nacional para Indepedência Total de Angola
©  Copyright 2002-2013
Quarta-feira, 19 de Maio de 2021